segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Classificação das Maloclusões de Angle

Prof.Dr.Edward H. Angle

A classificação das maloclusões foi criada por ninguém menos que o "Pai da ortodontia moderna" Edward Angle é assim conhecido hoje, uma das principais e mais brilhantes mentes da ortodontia. Não vou ficar falando de história neste post, aqui quero descrever a classificação desenvolvida por ele de maneira simples e objetiva.


Para começar, a classificação de Angle que para o Ortodontista é o "Pai nosso" (Todo ortodontista sabe), mas quero destacar a importância dessa classificação para o clínico geral.

Dei uma aula esses dias para uma turma que estava iniciando a especialização em ortodontia e pude notar que a grande maioria teve dificuldade com a classificação de Angle, e dada a importância dela deveria ser sedimentada durante a graduação, porém não é o que acontece.

Se o clínico geral não sabe classificar uma maloclusão (Não é regra, é apenas uma observação), como ele vai diagnosticar? Simples, não vai. 

Muitas vezes o clínico deixa passar a maloclusão focando na cárie, tártaro etc. Assim como o ortodontista que deixa passar a cárie focando só na maloclusão. Os dois estão negligenciando.


Como o clínico geral vai se comunicar com o ortodontista ou qualquer outro profissional sobre uma maloclusão sem saber a classificação?
Acho que está clara a necessidade de sabermos classificar, vamos para aula:
Segundo Angle, uma oclusão normal é aquela em que os primeiros molares superiores, estão em "chave de oclusão", se existir esta relação molar, e os dentes estiverem posicionados em uma linha de oclusão com uma curva suave, tem-se uma oclusão normal. (Ao menos nos molares).


Clique nas imagens para ampliar
Chave de Oclusão: A cúspide mésio-vestibular do primeiro molar superior oclui no sulco mésio-vestibular do primeiro molar inferior.

Esta é a chave que sempre buscamos como referência na hora de classificarmos. Grave bem essa posição e tente assimilar com a descrição da chave de oclusão descrita acima.


VAMOS AS MALOCLUSÕES

Dente em Classe I de molar
Maloclusão de CLASSE I: 

Na maloclusão de classe I nós teremos uma chave de molar (
A cúspide mésio-vestibular do primeiro molar superior oclui no sulco mésio-vestibular do primeiro molar inferior).


Isso significa que o molar se encontra em boa posição. E onde está a maloclusão então? Você possivelmente deve estar se perguntando.
A maloclusão neste caso está anterior ao primeiro molar, podendo estar situada entre prés, incisivos, caninos etc.



Observe neste caso o primeiro molar está em chave e os caninos estão girados, caracterizando uma maloclusão de classe I.

Dica clínica: Em casos classe I, devemos buscar manter a chave molar, sendo assim em casos com apinhamento severo anterior ou faremos 4 extrações ou nenhuma extração. Como decidir entre extrair ou não? De forma simplista, primeiramente devemos avaliar o perfil do paciente, se o perfil permitir extrações oferecemos o tratamento ao paciente.


Classe II ou Distoclusão


A classe II é a mais encontrada no dia a dia. Neste caso a cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior está para mesial em relação ao sulco mésio vestibular do primeiro molar inferior.
(Pode parecer complicado de inicio, é cúspide pra cá, cúspide pra lá rs, mas fique tranquilo é bem simples, basta prestar atenção e lembrar de olhar essa cúspide mésio vestibular do 1ºMolar Superior).

Molar em Classe II ( Cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior
ocluindo mesialmente ao sulco mésio vestibular do primeiro molar inferior).
Divisões da classe II
A classe II nunca está sozinha, ela sempre terá uma "Divisão", a divisão avalia se temos uma vestibularização dos incisivos centrais superiores no caso da Divisão 1ª, ou se temos uma palatinização dos mesmos, no caso da Divisão 2ª.

Veja:

Divisão 1ª -  Vestibularização dos incisivos Superiores.
Observe a chave de molar em Classe II e a vestibularização
dos incisivos anteriores.














Divisão 2ª -  Lingualização ou Verticalização dos incisivos Superiores.

Geisy Arruda - Classe II, Divisão 2ª

Classe II Subdivisão - Direita/Esquerda
E não acaba por aí, a classe II ainda tem suas subdivisões, mas o conceito é simples, veja:

Ocorre quando o paciente em um dos lados é classe I e do outro é classe II, nestes casos ele é classificado como classe II, subdivisão direita ou esquerda, exemplo:

Paciente classe II, Divisão I, subdivisão direita: Ou seja, Ele é Classe II do lado direito e classe I do lado esquerdo.
Basta lembrar que a subdivisão representa o lado em que o dente encontra-se fora da chave, sendo o outro lado sempre em classe I




 Neste caso: Paciente Classe II, divisão 1ª, Subdivisão Direita.





Neste Caso: Paciente Classe II, Divisão 1ª, Subdivisão Esquerda. 


  

Classe III - Mésioclusão

Finalmente a tão temida classe III, muitos ortodontistas correm destes casos, isso por que a classe III tem muita relação com problemas esqueléticos e o comprometimento estético em alguns casos é grande, levando o paciente a necessidade de cirurgia ortognática. Porém temos casos de classe III onde o comprometimento é exclusivamente dentário, nestes casos o ortodontista pode resolver sem necessidade de cirurgias maiores.


Definição Classe III: Cúspide mésio vestibular do primeiro molar superior está para distal em relação ao sulco mésio vestibular do primeiro molar inferior.

Novamente observe a cúspide mésio vestibular do primeiro
molar superior

Classe III Subdivisão: Como na classe II, a Classe III também tem Subdivisão Direita e Esquerda e a regra é a mesma:

A subdivisão representa o lado em que o dente encontra-se fora da chave, sendo o outro lado sempre em classe I


Então é isso, espero ter sido claro e que você tenha aproveitado o conteúdo que foi feito com carinho.

Bons estudos :)

Link das imagens:




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente Aqui

Veja também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Compartilhe

Anunciante